COMO ESCOLHER PARA SI BONS LIVROS OU INDICAR LIVROS COM FINALIDADES TERAPÊUTICAS?



Por mais que isso pareça uma tarefa simples, do tipo consultar um guia de produtos de cosméticos, mas na realidade não é tão simples assim. Vejamos alguns pontos que tornam essas escolhas difíceis:

1-    Os livros bem aceitos pela crítica letrada ou popular nem sempre são, para você ou para quem você está receitado a leitura, o que realmente vai suprir suas necessidades.
2-    Muitos livros têm escrita rebuscada e exigem bom domínio de leitura, em outras palavras: você precisa ter um campo léxico bem amplo.
3-    Há muitas pessoas que por mais que gostem de ler, no entanto não são fieis a livros com muito conteúdo, estamos falando sobre o número de páginas.
4-    Nem sempre a experiência que temos com um livro significa que a outra pessoa terá da mesma forma ou de forma parecida, por isso não podemos indicar livros com finalidades terapêuticas se não sabemos sobre a história do outro e das necessidades deste.

Mas o que fazer?!

Calma! Para quase tudo há solução, não é verdade?

O primeiro passo para indicar um bom livro para si ou para o outro é saber mais sobre as necessidades próprias ou as do outro, e se propor a degustar uma pequena poção do livro para, então, decidir-se por ler o escolhido ou os escolhidos. Quando for para indicar livros para outras pessoas, então, dê a estas a possibilidade de degustar de vários livros para que elas escolham para ler os que elas se identificaram, isso não significa ler resumos ou apresentações de livros, mas de dar uma olhada de modo analítico, mesmo que breve.

Antes de indicarmos leituras, temos que fazer uma pequena análise histórica da pessoa a que se dirige a nós em busca de ajuda, de apoio. É importante saber os livros que já leu, saber quais foram os que mais a marcaram e o porquê de se tornarem especiais para ela. Ver também autores preferidos e o que sentiram durante e após as leituras das obras desses autores.

Após todos esses passos anteriores, é hora de saber um pouco mais das necessidades do leitor: está ansioso? Triste? Abatido? Sem coragem para enfrentar a vida?... E de acordo com essas necessidades buscar livros e autores que possibilitem leituras que supram as necessidades. Exemplo: não podemos receitar livro de aventuras eletrizante para uma pessoa que está sofrendo de muita ansiedade ou, ao de modo diferente, receitar livros de leitura apaziguante para quem está sem forças para continuar a enfrentar os desafios da vida.

Este artigo é um pequeno resumo de temas que podem ser discutidos com mais amplitude, mas há, aqui, dicas muito importantes para quem quer dar seus primeiros passos dentro do conhecimento da Biblioterapia.

Por: Edson Carlos de Sena - Biblioterapeuta

Comentários

Eu Psicanalista

Postagens mais visitadas deste blog

O QUE DIFERENCIA A BIBLIOTERAPIA DE OUTROS MODOS DE LEITURA?